Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Registro completo
Provedor de dados:  Repositório Alice
País:  Brazil
Título:  Caracterização da resposta à toxina Cry1Ac em populações de Noctuídeos pragas da soja no Brasil.
Autores:  YANO, S. A. C.
MOSCARDI, F.
DOURADO, P.
CARVALHO, R. A.
MARTINELLI, S.
HEAD, G. P.
BERGER, G. U.
SOSA-GÓMEZ, D. R.
Data:  2012-12-12
Ano:  2012
Palavras-chave:  Lagartas falsas-medideiras
Resumo:  A soja geneticamente modificada resistente a insetos e tolerante ao glifosato (MON 87701 × MON 89788), contendo o gene Cry1Ac, tem como principais alvos as lagartas desfolhadoras Pseudoplusia includens (Walker) e Anticarsia gemmatalis Hübner (Lepidoptera: Noctuidae). Em algumas regiões, Rachiplusia nu (Guenée) também pode ser uma importante praga, como no Rio Grande do Sul e sul do Paraná. Portanto, estudos sobre a variabilidade espacial e temporal de respostas à toxina Cry1Ac de populações destas espécies são essenciais para a realização de monitoramento da suscetibilidade, contribuindo para o futuro manejo da resistência. Populações de P. includens (n= 14) e A. gemmatalis (n= 7) foram coletadas nas safras 2008/09 a 2010/11, e uma população de R. nu foi coletada em Bento Gonçalves, RS. As populações foram provenientes de regiões representativas da cultura de soja no Brasil (BA, MT, GO, SP, PR e RS). Bioensaios realizados com a toxina purificada indicaram variações na suscetibilidade de 2,5 vezes nas populações de P. includens e três vezes nas populações de A. gemmatalis. As CL50 determinadas para P. includens variaram de 0,81 a 2,01 μg.mL-1 de dieta, enquanto que para A. gemmatalis as variações foram de 0,03 a 0,09 μg.mL-1 para as populações de campo. O valor da CL50 para R. nu foi de 0,70 ?g.mL-1 de dieta. Para a população de A. gemmatalis adaptada às condições de laboratório, a CL50 foi de 0,21 μg.mL-1 de dieta, maior que os valores observados nos bioensaios com as populações de campo. Indicando menor suscetibilidade, devido provavelmente a maior adaptação à dieta ou às condições de laboratório, após 199 gerações. As espécies ordenadas de menor a maior tolerância foram A. gemmatalis, R. nu e P. includens. Os resultados obtidos permitiram o inicio dos estudos de validação para monitoramento futuro das possíveis alterações de suscetibilidade à toxina Cry1Ac. 0,70 ?g.mL-1
Tipo:  Separatas
Idioma:  Português
Identificador:  In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENTOMOLOGIA, 24., 2012, Curitiba. SEB-40 anos de avanços da Ciência Entomológica Brasileira: anais. [Curitiba]: SEB, 2012. Disponível em: <http://www.cbe2012.com.br/_apps/anais_web/trabalhos_selecionar.php>.

http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/942263
Direitos:  openAccess
Fechar
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional