Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Registro completo
Provedor de dados:  Repositório Alice
País:  Brazil
Título:  Susceptibilidade da lagarta-do-cartucho do milho, Spodoptera frugiperda, a diferentes isolados de Bacillus thuringiensis.
Autores:  VALICENTE, F. H.
FONSECA, M. M.
Data:  2004-08-16
Ano:  2004
Palavras-chave:  Patogenos.
Bactéria
Controle Microbiano
Milho
Spodoptera Frugiperda.
Insecta.
Resumo:  Este trabalho foi dividido em três bioensaios. No primeiro, usaram-se 17 subespécies do Bacillus thuringiensis, que foram testadas em larvas de Spodoptera frugiperda. As cepas foram crescidas em meio de cultura líquido enriquecido com sais. Folhas de milho foram imersas na suspensão e oferecidas a lagartas sadias de dois dias de idade. Os resultados mostraram que a maior mortalidade de larvas foi causada pelo B. thuringiensis tolworthi (T09) (95,8%) e a menor, causada pelo B. thuringiensis kurstaki (2,7%). No segundo bioensaio, o B. thuringiensis tolworthi, numa mistura liofilizada de esporo e cristal em pó, foi incorporado na dieta artificial numa concentração única de 0,8 mg da toxina por grama de dieta artificial e testado em larvas de S. frugiperda de diferentes idades. Os resultados mostraram que a mortalidade das larvas decresceu à medida em que a idade das larvas aumentou. A maior mortalidade ocorreu com larvas entre três e seis dias de idade (100%). No terceiro bioensaio, uma mistura de esporo e cristal do B. thuringiensis tolworthi, que foi diluido em suspensão aquosa em diferentes tempos de exposição (24, 48 e 72 horas), foi testado em larvas de dois dias de idade, submetidas a diferentes concentrações da toxina. A maior mortalidade de larvas ocorreu com a concentração de 500 mg da mistura de esporo e cristal diluídos em 1 ml de água, para o tempo de exposição de 72 horas. A análise de probit mostrou que a concentração letal 50 (CL50) da cepa B. thuringiensis tolworthi foi de 271,1 mg ml-1, para larvas de dois dias de idade, por um período de exposição à toxina de 72 horas. Já a cepa SA11 (B. thuringiensis kurstaki) foi avaliada separadamente e a análise de probit mostrou que a LC50 para larvas de dois dias de idade foi de apenas 57,5 µg ml-1, por um período de exposição de 72 horas
Tipo:  Artigo de periódico
Idioma:  Português
Identificador:  Revista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas, v. 3, n. 1, p. 21-29, 2004.

http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/487715
Direitos:  openAccess
Fechar
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional