Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Ordenar por: RelevânciaAutorTítuloAnoImprime registros no formato resumido
Registros recuperados: 16
Primeira ... 1 ... Última
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Allium oleraceum L.: uma liliácea esquecida da flora de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos; Carvalho, Ana Maria.
Embora não existam registos publicados a atestar a presença de A. oleraceum em Portugal (vd. J. PASTOR & A. VALDÉS, Revisión del género Allium (Liliaceae) en la Península Ibérica e Islas Baleares. Ann. Univ. Hisp., 1983; J. do A. FRANCO & M.L. ROCHA AFONSO, Nova Flora de Portugal, vol. III(1): 76-96, 1994), no herbário PO está depositado um exemplar correctamente identificado desta espécie – BA, Trancoso, Tamanhos, num carvalhal (G. Costa s/n, 29-VII-1969, PO 10171) – com um comentário manuscrito, da autoria do seu colector, confirmando tratar-se de uma nova espécie para Portugal. Nos últimos anos recenseamos várias localidades transmontanas de A. oleraceum, todas elas com um reduzido número de indivíduos e localizadas em margens de caminhos pouco...
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Liliaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5480
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Allium ursinum L. subsp. ursinum: confirmação da presença em Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos; Aedo, Carlos.
Com a intenção de prospectar a brioflora de um território até então ignorado pelos especialistas, o casal Allorge herborizou em algumas localidades do Distrito de Bragança, no ano de 1931. Desta excursão resultou a publicação: P. ALLORGE & V. ALLORGE [Sur quelques aspects de la végétation aus environs de Bragança. Port. Acta Biol., vol. J. Hen.: 63-86, 1949]. Bem ao gosto da época ALLORGE & ALLORGE (op. cit.) incluem um relato pormenorizado da sua viagem, com referências abundantes à vegetação e à flora vascular da Serra de Nogueira (Trás-os-Montes, Concelho de Bragança, Freguesia de Rebordãos)
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Alliaceae.
Ano: 2006 URL: http://hdl.handle.net/10198/5387
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Atlas Flora Europaeae. Distribution of vascular plants in Europe: Rosaceae (Rubus) IPB - Escola Superior Agrária
Coutinho, A.; Aguiar, Carlos; Alves, P.J.; Cardoso da Silveira, P.; Almeida, J.D. de; Crespí, António; Honrado, João; Silva, L.; Silva, V..
Tipo: Book Palavras-chave: Flora de Portugal; Taxonomia; Corologia; Rosaceae.
Ano: 2010 URL: http://hdl.handle.net/10198/3416
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Bromus ramosus Huds.: confirmação como espécie indígena em Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos.
Na única citação portuguesa de B. ramosus – «Estremadura, arredores de Alcobaça» (A.R. PINTO DA SILVA & B. RAINHA, Agron. Lusit. 24: 159-203, 1964) – esta espécie é explicitamente referenciada como provável subespontânea. Confirma-se agora a natureza indígena de duas populações transmontanas de B. ramosus, cujos indivíduos vegetavam na margem ou no interior de amiais ripícolas (Populetalia, Osmundo-Alnion) densos e sombrios, desenvolvidos sobre solos derivados de rochas básicas com elevados teores em matéria orgânica. S. RIVAS-MARTÍNEZ et al. (Itinera Geobot. 15, 2002) consideram o B. ramosus como uma característica de Fagetalia sylvaticae.
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Poaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5481
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Carex sylvatica Huds.: um cárice novo para a flora de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos.
Encontramos este Carex em bosques higrófilos sobre rochas ultrabásicas, na falda Norte da Serra da Nogueira. O facto de não estar citado nas revisões ibéricas e lusitanas mais modernas do género (M. LUCEÑO, Ruizia 14, 1994; J. do A. FRANCO & M.L. ROCHA AFONSO, Nova Flora de Portugal, vol. III(3), 2003) e de não termos encontrado qualquer exemplar de herbário, ou referências bibliográficas relativa à sua presença em Portugal, obriga-nos a concluir que se trata de uma nova espécie para Portugal. Também no concelho de Bragança foi recentemente localizada uma outra espécie nova de Carex – o C. pallescens L. (C. AGUIAR & A. CARVALHO, Ann. Soc. Brot. 60: 1-11, 1994).
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Cyperaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5494
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Guia de campo: árvores e arbustos de Portugal Continental IPB - Escola Superior Agrária
Bingre, P.; Aguiar, Carlos; Espírito-Santo, D.; Arsénio, P.; Monteiro-Henriques, T..
O presente Guia de Campo constitui uma iniciativa editorial absolutamente inédita, a vários níveis, no nosso país. Inédita, por pela primeira vez se reunir num Guia de Campo, uma grande parte das espécies lenhosas que ocorrem em Portugal continental, num total de mais de 400 espécies descritas, quase todas elas com ilustrações. Inédita, por incluir uma série de mapas com a distribuição em Portugal continental das nossas espécies lenhosas nativas. Inédita ainda, pelo facto de ter reunido uma equipa de mais de vinte especialistas portugueses que voluntariamente se disponibilizaram para trabalhar expressamente para a produção deste volume. Este último aspecto é de importância fundamental, já que a produção da presente obra nunca teria sido possível sem a...
Tipo: Book Palavras-chave: Flora de Portugal; Árvores; Arbustos.
Ano: 2007 URL: http://hdl.handle.net/10198/6250
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Leontodon carpetanus Lange: uma composta nova para a flora de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos.
Embora seja frequente no Planalto da Serra de Montesinho não encontramos nenhuma referência à presença de Leontodon carpetanus em Portugal, que deste modo supomos tratar-se de uma espécie nova para a flora de Portugal. Identificamos o L. carpetanus em lameiros húmidos (Arrhenatherion, Arrhenatheretalia, Molinio-Arrhenatheretea) e cervunais (Campanulo-Nardion, Nardetalia, Nardetea) supramediterrânicos superiores, no planalto da Serra de Montesinho. O material colectado possui um indumento e dimensões foliares muito variáveis à semelhança, porém, de várias outras espécies de Leontodon, tanto continentais como açoreanas.
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Asteraceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5485
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Nepeta coerulea Aiton subsp. sanabrensis (Losa) Ubera & Valdés: uma labiada nova para a flora de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos; Cortez, José Paulo.
A Nepeta coerulea subsp. sanabrensis é uma subespécie nova para Portugal cujo tipo nomenclatural [basión. N. sanabrensis Losa, Contribuición al Estúdio de la Flora y Vegetación de la Província de Zamora, Inst. A.J. Cavanilles: 117] provém da vizinha região de Puebla de Sanábria. Além da Serra de Nogueira e da localidade clássica, estão publicadas na bibliografia apenas mais duas localidades para esta espécie por F. NAVARRO et al. (Stud. Bot. 10: 17-24, 1992), ambas localizadas não muito longe da Serra de Nogueira, na província espanhola de Zamora.
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Lamiaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5504
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
O Eryngium viviparum Gay afinal não está extinto em Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos.
Nos herbários portugueses de Coimbra (COI), Lisboa (LISU) e do Porto (PO) estão depositados três conjuntos de exemplares de E. viviparum provenientes de três localidades dos arredores do Porto, todos eles datados da década de oitenta do século passado (L.S. CARVALHO & P.I. ARRIEGAS, Fontqueria 39: 303, 1994). Estes autores prospectaram, sem resultados, os arredores do Porto e admitem que expansão urbana do grande Porto tenha extinguido territorialmente o E. viviparum (L.S. CARVALHO & P.I. ARRIEGAS, inf. Pessoal). Recentemente, descobrimos uma pequena população de E. viviparum na Serra de Nogueira que se torna, assim, na única conhecida em todo o território português. A sua presença no NE de Portugal não surpreende porque estão referenciadas várias...
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Apiaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5490
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
O género Fumana (Dunal) Spach em Trás-os-Montes IPB - Escola Superior Agrária
Amaro, A.; Aguiar, Carlos.
Os revisores do género Fumana para a Flora Iberica (J. GÜEMES & J. MOLERO, In: S. CASTROVEJO et al., Flora Iberica, vol. III: 422-436, 1993) localizam a Fumana ericifolia, em Portugal, nas antigas províncias da Beira Litoral, Estremadura e Ribatejo. Recentemente, detectamos este taxon na margem portuguesa do rio Douro internacional, mais concretamente a jusante da barragem de Bemposta, concelho de Mogadouro. Embora não se tenha procedido a um recenseamento da espécie podemos assegurar que o número de indivíduos na localidade é muito pequeno e, aparentemente, estão todos concentrados num único local. O habitat "fissuras de rochas" caracte-rístico desta caméfita, consoante é descri-to por por GÜEMES & MOLERO (op. cit.), é concordante com as nossas...
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Cistaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5486
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Pimpinella major (L.) Huds., uma nova Apiaceae para a flora de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos; Almeida, J.D. de.
Anuncia-se a descoberta de Pimpinella major nas margens do Rio Tuela, no interior Parque Natural de Montesinho. Trata-se de uma espécie pan-europeia, própria de orlas de bosque (Trifolio-Geranietea) ou prados pouco intensificados (Arrhenatherion), com solos húmidos, relativamente ricos em nutrientes. Este taxon vem engrossar o contingente de espécies que encontra no sistema constituído pelas Serras de Montesinho, Coroa e Nogueira o limite sul da sua distribuição no NW da Península Ibérica
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Apiaceae.
Ano: 2006 URL: http://hdl.handle.net/10198/5395
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Portulaca gr. oleracea L. no NE de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos; Sequeira, Miguel.
A taxonomia de Portulaca gr. oleracea é baseada nas dimensões e ornamentação das sementes (cf. A. DANIN, I. BAKER & H.J. BAKER, Israel J. Bot. 27: 177-211, 1978). Os distintos taxa desta grex – - tratados ao nível subespecífico na bibliografia taxonómica mais actual – são simpátricos embora se admita que a sua diferenciação tenha ocorrido em condições alopátricas (A. DANIN, In Castroviejo et al. Flora Iberica, vol. II: 465-469, 1990). Na recente revisão do género Portulaca para a Flora Iberica (A. DANIN, 1990, op. cit.) está citada uma única subspécie de P. oleracea em Trás-os- -Montes: P. oleracea L. subsp. granulatostellulata (Poellnitz) Danin
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Portulacaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5502
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Rubus galloecicus Pau, uma nova silva para a flora de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Almeida, J.D. de; Aguiar, Carlos.
O achado de Rubus galloecicus Pau em duas localidades muito distantes na província de Trás-os-Montes e Alto Douro constitui novidade para a flora de Portugal. No entanto, Monasterio-Huelin in Castroviejo et al. [Flora Iberica VI: 45, 1998] já tinha previsto que esta espécie poderia encontrar-se no nosso País, através da frase seguinte: "por el momento, no se conoce de Portugal". Rubus galloecicus distingue-se facilmente das outras espécies da Série Radula (Focke) Focke pelo facto de os cinco folíolos que constituem as folhas serem estreitos, digitados e claramente serrados.
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Rosaceae.
Ano: 2006 URL: http://hdl.handle.net/10198/5372
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Rubus vestitus Weihe: uma silva nova para Portugal herborizada na Serra de Nogueira (NE de Portugal) IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos.
G. SAMPAIO ["Rubus" Portuguezes, Ann. Sci. Nat. (Porto) 9, 1904] e A. ROZEIRA (A Flora da província de Trás- -os-Montes e Alto Douro, 1944) admitem a presença do R. vestitus nas localidades transmontanas de «Vinhais», «Monta-legre, Pitões das Júnias» e «Montalegre, Padronelos». Constata-se, porém, que o conceito de R. vestitus destes autores não é coincidente com o de E. MONASTERIO- -HUELIN (In Castroviejo et al. Flora Iberica, vol. VI: 16-71, 1998), na sua recente revisão ibérica do género para a Flora Iberica. Assim, de acordo com a circunscrição taxonómica e a corologia publicadas por MONASTERIO-HUELIN (op. cit.) as plantas por nós colectadas na Serra de Nogueira (NE de Trás-os- -Montes) constituem a primeira referência portuguesa segura de R. vestitus.
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Rosaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5491
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Scrophularia valdesii Ortega Olivencia & Devesa: confirmada a presença em Portugal de mais um endemismo lusitano-duriense IPB - Escola Superior Agrária
Marcos, N.; Amado, A.; Aguiar, Carlos.
A Scrophularia valdesii é endemismo Ibérico, descrito por A. ORTEGA Olivencia & J.A. Devesa [Candollea 46: 111-118 (pág. 115)], cujo tipo nomencla-tural provém do termo de Aldeadávila, no canhão do Rio Douro Internacional. J.C. Costa et al. (Quercetea 0, 1998) consideram-na como um endemismo lusitano-duriense. O elenco dos endemis-mos, ou quasi endemismos, lusitano-duriense presentes em Portugal é agora constituído pelos seguintes táxones: Anarrhinum duriminium (Brot.) Pers., Antirrhinum lopesianum Rothm., Galium teres Merino (= Galium glaucum L. subsp. australe Franco), Scrophularia valdesii, Isatis platyloba Steud., Linaria coutinhoi Valdés, Trigonella polyceratia L. subsp. amandiana (Samp.) Amich & J. Sánchez, Holcus setiglumis Boiss. &...
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Scrophulariaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5487
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Viburnum opulus L.: um novo arbusto indígena da flora indígena de Portugal IPB - Escola Superior Agrária
Aguiar, Carlos; Carvalho, Ana Maria.
Desde há muito que são conhecidas populações assilvestradas de V. opulus em diversos pontos de Portugal (e.g. Serra de Sintra, J. CAPELO, com. pessoal). Propomos a aceitação como indígenas das populações descobertas na última década na falda norte da Serra de Nogueira e no Parque Natural de Montesinho por três ordens de razões: estão referenciadas populações indígenas de V. opulus nas vizinhas províncias de Leão e Zamora (A. PENAS, com. pessoal); todas as populações identificadas situam-se em áreas de muito difícil acesso; o V. opulus é cultivado com pouca frequência no NE de Portugal e muito menos na proximidade das localidades mais adiante citadas. Assim sendo, o V. opulus deverá ser considerada um apófito e, consequentemente, como uma espécie nova para...
Tipo: Article Palavras-chave: Flora de Portugal; Caprifoliaceae.
Ano: 2003 URL: http://hdl.handle.net/10198/5484
Registros recuperados: 16
Primeira ... 1 ... Última
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional