Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Registro completo
Provedor de dados:  Repositório Alice
País:  Brazil
Título:  Sorção, dessorção e potencial de lixiviação de atrazine em solos brasileiros.
Autores:  ARCHANGELO, E. R.
PRATES, H. T.
FERREIRA, F. A.
KARAM, D.
FERREIRA, L. R.
CARDOSO, A. A.
Data:  2005-08-24
Ano:  2005
Palavras-chave:  Isoterma de Freundlich
Kf
Kfoc
GUS
Herbicida
Resumo:  Determinar a sorção, a dessorção e o potencial de lixiviação de atrazine em diferentes solos, foram os objetivos desse trabalho. As amostras dos solos foram agitadas por 24 h, centrifugadas e o sobrenadante filtrado e analisado por HPLC. As etapas da dessorção foram conduzidas por meio da reposição do sobrenadante removido com o mesmo volume de solução 0,01 M de CaCl2 com agitação por 24h e centrifugação, repetindo-se o processo por três vezes consecutivas, 24, 48 e 72 h, sendo o sobrenadante filtrado e analisado por HPLC. A sorção de atrazine, descrita pela isoterma de Freundlich, foi calculada pela diferença entre as concentrações adicionadas e aquelas quantificadas no HPLC. Foram calculadas as percentagens de dessorção a 24, 48 e 72 h pela diferença entre as quantidades sorvidas e aquelas quantificadas no HPLC. Correlações de Pearson foram feitas para se determinar a correlação entre kf, kfoc e dessorção e as principais propriedades dos solos. O coeficiente GUS foi utilizado para estimar o potencial de lixiviação. Os baixos valores encontrados para o kf da atrazine indicam que esse herbicida é de pequena sorção pelos solos estudados. No perfil LVd-a a sorção se correlacionou significativa e positivamente com o teor de carbono orgânico quando analisado isoladamente. Os valores de kfoc variaram de 70,37 a 201,47 nas amostras superficiais dos solos estudados e apresentaram correlação significativa com o teor de carbono orgânico quando analisado somente o perfil do LVd-a. A avaliação do potencial de lixiviação demonstrou que a atrazine pode ser classificada como herbicida lixiviador em todos os solos analisados. O processo de dessorção foi menor que o processo de sorção até 72 horas após a aplicação. A dessorção é maior em camadas mais profundas no perfil do solo LVd-a, onde o teor de carbono orgânico é menor.

2005
Tipo:  Artigo em periódico indexado (ALICE)
Idioma:  Português
Identificador:  17865

http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/488777

http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/30933/1/Sorcao-dessorcao.pdf
Editor:  Revista Brasileira de Milho e Sorgo, Sete Lagoas, v. 4, n. 1, p. 14-27, 2005.
Relação:  Embrapa Milho e Sorgo - Artigo em periódico indexado (ALICE)
Fechar
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional