Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Registro completo
Provedor de dados:  Repositório Alice
País:  Brazil
Título:  Estrutura populacional de etnovariedades de mandioca, cultivadas no município de Alta Floresta, MT, Brasil
Autores:  TIAGO, A. V.
PEDRI, E. C. M. de
CARDOSO, E. dos S.
TIAGO, P. V.
CARPEJANI, A. A.
HOOGERHEIDE, E. S. S.
ROSSI, A. A. B.
Data:  2018-02-09
Ano:  2017
Palavras-chave:  Melhoramento genético
Alta floresta
Mato grosso
Manihot esculenta
Mandioca
Melhoramento genético vegetal
Marcador Molecular
Resumo:  A mandioca (Manihot esculenta Crantz) desempenha papel considerável como cultura alimentar. No Brasil é cultivada principalmente por agricultores de baixa renda, condição que garante a diversidade genética a essa cultura. O objetivo deste trabalho foi avaliar a estrutura populacional de 17 etnovariedades de mandioca cultivada no norte do estado de Mato Grosso, por meio de marcadores ISSR. Foram selecionados e amostrados 17 etnovariedades de mandioca em propriedades rurais pertencentes ao município de Alta Floresta, MT, no ano de 2015. Folhas jovens dos indivíduos foram coletadas após 4 meses de plantio. O DNA foi extraído de aproximadamente 100 mg de tecido foliar com base no protocolo de CTAB. Os fragmentos de ISSR foram analisados como caracteres binários, presença (1) e ausência (0) de bandas. Os quinze primers selecionados produziram um total 120 locos ISSR. A análise da estrutura populacional das 17 etnovariedades de mandioca, pelo Structure, revelou a formação de dois grupos distintos de acordo com Delta K (AF1 e AF2). O grupo AF1 constituiu-se de 12 indivíduos e o grupo AF2 por 5 indivíduos. A análise de agrupamento UPGMA separou os genótipos em três grupos, sendo o grupo I composto de dois genótipos e o grupo II com apenas um genótipo. O último grupo alocou quatorze genótipos, entre estes se encontra nove genótipos do grupo AF1 resultante do Structure, subdividindo-se em quatro subgrupos. Os valores para os índices de diversidade de Nei e Índice de Shannon foram maiores para o grupo AF1 (0.2030 e 0.3094, respectivamente). A análise de variância molecular (AMOVA) indicou que 14,00% da variância total está entre os grupos e 86,00% dentro dos grupos, revelando que a maior diferenciação genética está ocorrendo de forma intrapopulacional. Os métodos utilizados foram eficientes em separar as etnovariedades em grupos distintos, indicando diversidade entre as amostras avaliadas. Os genótipos mais divergentes geneticamente foram 15, 16 e 17. Portanto as mandiocas analisadas, proveniente do uso dos agricultores revelam que as etnovariedades mantidas on farm apresentam um importante recurso genético, que deve ser preservado e conservado, pois poderão ser utilizados em programas de melhoramento genético.

bitstream/item/172445/1/2017-cpamt-eulalia-hoogerheide-etnovariedade-mandioca-alta-floresta-mt.pdf
Tipo:  Resumo em anais de congresso (ALICE)
Idioma:  Português
Identificador:  992

http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1087540
Editor:  In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MELHORAMENTO DE PLANTAS, 9., 2017, Foz do Iguaçu. Melhoramento de plantas: projetando o futuro. Foz do Iguaçu: SBMP, 2017. p. 766.
Relação:  Embrapa Agrossilvipastoril - Resumo em anais de congresso (ALICE)
Fechar
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional