Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Registro completo
Provedor de dados:  Repositório Alice
País:  Brazil
Título:  Bases ecológicas para o manejo de Bemisia tabaci (Genn.) biótipo B (Hemiptera: Aleyrodidae) em sistemas orgânicos de produção de tomate.
Autores:  TOGNI, P. H. B.
Data:  2010-02-08
Ano:  2009
Palavras-chave:  Agroecologia
Interação inseto-planta
Controle biológico conservativo
Coriandrum sativum
Insect-plant interaction
Conservation biological control
Population dynamics
Dinâmica populacional
Agroecology
Resumo:  A mosca-branca Bemisia tabaci biótipo B é considerada uma das principais pragas do tomateiro por causar perdas de produtividade devido a danos diretos e pela transmissão de diversas viroses (Geminiviridae). As aplicações de inseticidas para seu controle têm se mostrado cada vez mais incipientes. Isso evidencia a necessidade de novas técnicas de manejo baseado nas interações ecológicas entre a mosca-branca e outros componentes bióticos e abióticos do agroecossistema do tomateiro. Em estudos anteriores o consórcio do tomateiro com coentro reduziu os níveis populacionais de B. tabaci, principalmente em sistemas orgânicos de produção. Porém, os mecanismos pelos quais o coentro pode afetar as populações de mosca-branca ainda não são evidentes. O objetivo deste trabalho é gerar bases científicas para o manejo ecológico de B. tabaci em cultivos de tomate orgânico a partir do consórcio tomate+coentro e do manejo do tipo de irrigação (gotejamento e aspersão). No capítulo 1, foi realizado um experimento em olfatômetro de múltipla escolha do tipo X para avaliar se B. tabaci é atraída pelos voláteis do tomateiro e como o coentro pode afetar esses padrões. Machos e fêmeas da mosca-branca foram atraídos pelos voláteis constitutivos do tomateiro, indicando que os infoquímicos têm um papel importante na seleção da planta hospedeira por este herbívoro. Entretanto, ao contrário do esperado, os voláteis constitutivos do coentro não foram repelentes para o inseto. Quando apresentados em conjunto com os voláteis do tomateiro houve uma redução na preferência pela escolha dos voláteis do tomateiro por B. tabaci. No capítulo 2, foi comparado em campo a flutuação populacional de B. tabaci biótipo B e a ocorrência de predadores e parasitóides em monocultivo de tomate e tomate consorciado com coentro, submetidos a irrigação por gotejamento e por aspersão em diferentes fases fenológicas do tomateiro. Adultos e ninfas de B. tabaci foram menos abundantes nos tratamentos consorciados com coentro, principalmente após as cinco primeiras semanas de amostragem e nos tratamentos irrigados por aspersão. Quanto aos inimigos naturais, foi verificada maior abundância e diversidade de espécies nos tratamentos com coentro, principalmente após a floração e quando irrigado por aspersão. O tipo de irrigação e o consórcio com o coentro afetaram de forma distinta a abundância de diferentes grupos de inimigos naturais como joaninhas, moscas predadoras e parasitóides. No capítulo 3, objetivou-se descrever os padrões espaciais de adultos de mosca¬ branca no início do ciclo da cultura do tomateiro irrigado por aspersão ou gotejamento e plantado em monocultura ou em consórcio com coentro. A população inicial que colonizou os tomateiros apresentou um padrão agregado nos dois sistemas de irrigação na primeira semana de amostragem. No gotejamento esse padrão agregado se manteve ao longo do período de amostragem, enquanto que na aspersão o efeito mecânico da água sobre os indivíduos alterou a distribuição da população que passou a aleatória. O consórcio com o coentro reduziu a colonização da plantas de tomate por B. tabaci. As populações permaneceram agregadas principalmente nas parcelas de monocultivo de tomate, sendo mais evidente no gotejamento onde não há ação mecânica da água sobre os indivíduos. A dispersão do Begomovirus acompanhou a dispersão do vetor na área sendo observado um padrão agregado no gotejamento e aleatório na aspersão. Portanto, o consórcio tomate+coentro e a irrigação por aspersão afetaram a distribuição espacial de adultos de mosca-branca e a incidência de viroses associadas. Esses resultados reforçam a importância do plantio do coentro antes do transplante do tomateiro para o campo. Contudo, ainda são necessários novos trabalhos para identificar os voláteis produzidos pelas plantas e verificar a interação química entre estes e B. tabaci. Apesar de ser recomendado o plantio de tomate em sistemas irrigados por gotejamento devido à incidência de doenças, este trabalho demonstra que para mosca-branca a irrigação por aspersão pode ser mais favorável para seu controle e favorece a abundância e diversidade de inimigos naturais. Dessa forma, essas duas práticas culturais (consórcio tomate+coentro e tipo de irrigação) podem ser estratégias eficientes como medida preventiva para colonização, estabelecimento, distribuição e incidência de B. tabaci e Begomovirus em cultivos de tomate orgânico durante o período de baixa precipitação pluviométrica.

bitstream/item/175111/1/2009-PedroHenriqueBrumTogni.pdf

Dissertação (Mestrado em Ecologia) - Instituto de Ciências Biológicas, Universidade de Brasília, Brasília, DF. Orientador: Edison Ryoiti Sujii, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.
Tipo:  Tese/dissertação (ALICE)
Idioma:  Português
Identificador:  32152

http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/657043
Editor:  2009.
Relação:  Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia - Tese/dissertação (ALICE)
Formato:  110 f.
Fechar
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional