Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Ordenar por: RelevânciaAutorTítuloAnoImprime registros no formato resumido
Registros recuperados: 150
Primeira ... 12345678 ... Última
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
A família Lemnaceae Gray no Pantanal (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul), Brasil Rev. Bras. Bot.
POTT,VALI JOANA; CERVI,ARMANDO CARLOS.
Realizou-se o levantamento de plantas aquáticas da família Lemnaceae no Pantanal do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, a qual está representada por nove espécies, distribuídas em quatro gêneros. Das espécies encontradas somente Wolffia brasiliensis Wedd. e Lemna valdiviana Phil. haviam sido registradas no Pantanal. As demais espécies são Spirodela intermedia W. Koch, Lemna aequinoctialis Welw., L. minuta Kunth, in Humb., Bonp. & Kunth, Wolffiella welwitschii (Hegelm.) Monod, W. lingulata (Hegelm.) Hegelm., W. oblonga (Phil.) Hegelm. e Wolffia columbiana H. Karst. As Lemnaceae ocorrem em todas as 10 sub-regiões do Pantanal, com o maior número de espécies na sub-região do Nabileque, de solos mais férteis.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Duckweed; Lemnaceae; Pantanal wetland; Taxonomy.
Ano: 1999 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041999000200007
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
A riqueza de espécies arbóreas na floresta atlântica de encosta no estado de São Paulo (Brasil) Rev. Bras. Bot.
TABARELLI,MARCELO; MANTOVANI,WALDIR.
Extensa literatura refere-se à floresta atlântica de encosta no estado de São Paulo como possuidora de elevada diversidade florística. Esta afirmação está baseada em dados e conclusões de estudos florísticos e fitossociológicos locais. A maioria destes trabalhos não define com clareza o que considera diversidade, de que grupos estão tratando, a escala de abordagem e, principalmente, quais as florestas usadas para comparação. Neste estudo, são comparados dados sobre riqueza de plantas arbóreas (<FONT FACE="Symbol">³</font> 2,5 cm dap) na floresta atlântica de encosta em São Paulo com os de outras florestas neotropicais. Posteriormente, são discutidas as principais relações conhecidas entre a riqueza de plantas lenhosas nas florestas neotropicais...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Atlantic rain forest; Species richness; Woody plants; Floristic composition.
Ano: 1999 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041999000200012
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Algas planctônicas do reservatório da Pampulha (MG): Euglenophyta, Chrysophyta, Pyrrophyta, Cyanobacteria Rev. Bras. Bot.
GIANI,ALESSANDRA; FIGUEREDO,CLEBER C.; ETEROVICK,PAULA C..
Neste trabalho foram descritos 28 táxons de algas planctônicas pertencentes às divisões Euglenophyta, Chrysophyta, Pyrrophyta e Cyanobacteria, encontradas no reservatório da Pampulha, estado de Minas Gerais. Foram analisadas amostras no período de maio/1992 a fevereiro/1997. Em número de espécies, Euglenophyta foi a que apresentou maior número (13 espécies em uma família), seguidas de Cyanobacteria (oito espécies), Pyrrophyta (cinco espécies) e Chrysophyta (duas espécies). Vinte e três táxons são primeiras citações para o estado de Minas Gerais.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Taxonomy; Euglenophyta; Chrysophyta; Pyrrophyta; Cyanobacteria.
Ano: 1999 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041999000200001
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Análise ultra-estrutural de folhas de três espécies de Solanaceae após inoculação com o vírus da necrose branca do tomateiro (VNBT - Tymovirus) Rev. Bras. Bot.
TANAKA,FRANCISCO ANDRÉ OSSAMU; MACHADO,SÍLVIA RODRIGUES; BARRADAS,MARIA MÉRCIA.
Foi estudada a ultra-estrutura foliar das solanáceas Nicotiana glutinosa L., Lycopersicon pimpinellifolium L. e Physalis angulata L. inoculadas com o vírus da necrose branca do tomateiro (VNBT - Tymovirus). As plantas mantidas em casa-de-vegetação com temperatura constante de 25 °C foram inoculadas quando apresentavam três a quatro folhas totalmente expandidas. Quinze dias após a inoculação, foram coletadas amostras do terço médio do limbo da 3ª ou da 4ª folha a partir do ápice. As amostras foram preparadas para análise em microscopia eletrônica de transmissão segundo técnicas convencionais. A análise ultra-estrutural das células do clorênquima revelou principalmente vesiculação e vacuolação dos cloroplastos e de mitocôndrias, além da ocorrência de corpos...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Tymovirus; TWNV; Solanaceae; Leaf; Ultrastructure.
Ano: 2000 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042000000200006
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Anatomia do eixo vegetativo de Dahlstedtia pinnata (Benth.) Malme e D. pentaphylla (Taub.) Burk. (Leguminosae, Papilionoideae) Rev. Bras. Bot.
TEIXEIRA,SIMONE DE PÁDUA; GABRIELLI,ANTONIO CARLOS.
As plantas do gênero Dahlstedtia ocorrem exclusivamente no Brasil, em áreas de Mata Atlântica. O gênero é constituído por duas espécies, D. pinnata e D. pentaphylla, embora muitos autores o considerem monotípico. O objetivo deste trabalho é estudar comparativamente a anatomia do eixo vegetativo e verificar a presença de caracteres anatômicos importantes para subsidiar a delimitação destas espécies. Os caracteres anatômicos encontrados no eixo vegetativo que poderiam diferenciar as duas espécies são, em sua maioria, quantitativos, devendo ser utilizados com cautela para a identificação dos taxa, pois nem sempre são constantes num grupo. Entretanto, a presença de idioblastos cristalíferos no floema do caule em estrutura secundária de D. pentaphylla, um menor...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Anatomy; Vegetative axis; Leguminosae; Dahlstedtia.
Ano: 2000 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042000000100001
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Anatomia ecológica de Sebastiania commersoniana (Baillon) Smith &amp; Downs (Euphorbiaceae) submetida ao alagamento Rev. Bras. Bot.
KOLB,ROSANA M.; MEDRI,MOACYR E.; BIANCHINI,EDMILSON; PIMENTA,JOSÉ A.; GILONI,PATRICIA C.; CORREA,GERALDO T..
Em matas ciliares da Bacia Hidrográfica do Rio Tibagi, nas áreas sujeitas a inundações periódicas, é comum a ocorrência de S. commersoniana onde, geralmente, se torna a espécie dominante. A fim de elucidar alguns aspectos de tolerância ao alagamento, plantas dessa espécie foram mantidas na capacidade de campo e em solo alagado por dois meses. Após esse período, algumas plantas foram desalagadas para verificar o comportamento da espécie no período de reaeração. O alagamento induziu, em raízes, aumento de espaços intercelulares, redução na espessura do cilindro central e aumento na espessura do córtex. Plantas alagadas cresceram menos que as controle e desenvolveram lenticelas hipertróficas caulinares e algumas raízes adventícias. Plantas reaeradas retomaram...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Ecological anatomy; Hypoxia; Sebastiania commersoniana.
Ano: 1998 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300010
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Anatomia foliar de espécies epífitas de Orchidaceae Rev. Bras. Bot.
OLIVEIRA,VIRGINIA DEL CARMEN; SAJO,MARIA DAS GRAÇAS.
O mesofilo é formado por parênquima lacunoso e os feixes vasculares, maiores e menores, se dispõem intercaladamente, nas folhas de Orchidaceae estudadas (Catasetum fimbriatum Lindl., Dichaea bryophila Rchb. f., Encyclia calamaria (Lindl.) Pabst, Epidendrum campestre Lindl., E. secundum Jacq., Miltonia flavescens Lindl., Pleurothallis smithiana Lindl., Stanhopea lietzei (Regel) Schltr. e Vanda tricolor Lindl.). No mesofilo de quase todas as espécies ocorrem células esclerificadas adjacentes à epiderme, nas duas faces foliares. Também são comuns, nas folhas estudadas, caracteres estruturais que podem ser interpretados como adaptações ao hábito epifítico.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Leaf anatomy; Orchidaceae; Epiphytism.
Ano: 1999 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041999000300003
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
As espécies de Machaerium Pers. (Leguminosae - Papilionoideae - Dalbergieae) ocorrentes no estado de São Paulo Rev. Bras. Bot.
SARTORI,ÂNGELA L. BAGNATORI; TOZZI,ANA M.G. AZEVEDO.
Machaerium Pers. está representado no estado de São Paulo por 17 espécies: M. acutifolium Vog., M. amplum Benth., M. brasiliense Vog., M. cantarellianum Hoehne, M. declinatum (Vell.) Stellfeld, M. dimorphandrum Hoehne, M. hirtum (Vell.) Stellfeld, M. lanceolatum (Vell.) F.J. Macbr., M. nictitans (Vell.) Benth., M. oblongifolium Vog., M. paraguariense Hassl., M. scleroxylon Tul., M. stipitatum Vog., M. triste Vog., M. uncinatum (Vell.) Benth., M. vestitum Vog. e M. villosum Vog. Uma chave para as espécies, descrições, comentários, ilustrações e dados de distribuição são fornecidos.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Leguminosae Papilionoideae Machaerium São Paulo; Brazil.
Ano: 1998 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300001
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Aspectos ecológicos de um trecho de floresta de brejo em Itatinga, SP: florística, fitossociologia e seletividade de espécies Rev. Bras. Bot.
Ivanauskas,Natália Macedo; Rodrigues,Ricardo Ribeiro; Nave,André Gustavo.
(Aspectos ecológicos de um trecho de floresta de brejo em Itatinga, SP: florística, fitossociologia e seletividade de espécies). No presente trabalho estudou-se um trecho de floresta de brejo localizada na fazenda Santa Irene, de propriedade da EUCATEX Ltda., no município de Itatinga-SP (48º38'52,2"W e 23º17'41,6"S), com uma área de 2 ha. O levantamento fitossociológico foi realizado através do método de censo de 1 ha do remanescente florestal, onde foram amostrados todos os indivíduos com PAP (perímetro à altura do peito) > a 15 cm. Foram amostrados 1310 indivíduos, pertencentes a 28 famílias, 34 gêneros e 39 espécies do estrato arbustivo-arbóreo. As famílias que apresentaram os maiores valores de IVC foram Clusiaceae (53,49), Burseraceae (41,30),...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Phytosociology; Swamp forest; Ciliar forest; Itatinga.
Ano: 1997 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041997000200005
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Aspectos fenológicos e germinação de sementes de quatro populações de Eupatorium vauthierianum DC. (Asteraceae) Rev. Bras. Bot.
Maluf,Angela Maria; Wizentier,Betina.
Através do estudo do florescimento e da frutificação de quatro populações de Eupatorium vauthierianum, na região de Paranapiacaba, observou-se uma defasagem de florescimento de cerca de 20 dias entre as populações mais precoces e as mais tardias. Para as mais precoces, os capítulos estavam com flores em diferentes estádios de desenvolvimento em maio e a plena frutificação ocorreu em meados de junho. Decorreram cerca de 55 dias da fase de botão floral até a de fruto maduro. O número de frutos (aquênios) por capítulo variou de 10 a 26 e a porcentagem de aquênios férteis por capítulo variou de 5,5 a 100%. Através do estudo da germinação observou-se variação na capacidade germinativa, tanto dentro como entre as populações estudadas. A temperatura de 20°C...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Flowering; Fruit development.
Ano: 1998 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300002
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Aspectos morfo-anatômicos e fisiológicos de Peltophorum dubium (Spr.) Taub. submetida ao alagamento e à aplicação de etrel Rev. Bras. Bot.
MEDRI,MOACYR E.; BIANCHINI,EDMILSON; PIMENTA,JOSÉ A.; DELGADO,MARCOS F.; CORREA,GERALDO T..
Visando elucidar aspectos de tolerância das plantas à hipoxia, estudaram-se os efeitos do alagamento e da aplicação de etrel em P. dubium (canafístula), num período de 70 dias. Durante o experimento foram avaliados a espessura da base do caule e a alocação de matéria seca para as raízes, caules e folhas. A inundação provocou aumento da espessura da base do caule e grande hipertrofia de lenticelas. A aplicação de etrel não induziu a formação de raízes adventícias, porém estimulou a hipertrofia de lenticelas. O alagamento e/ou aplicação de etrel afetaram significativamente o crescimento e o desenvolvimento das plantas. Este efeito foi maior nas plantas alagadas que tiveram suas lenticelas vedadas. Os resultados indicam que P. dubium pode tolerar certos...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Peltophorum dubium; Ethrel; Flooding.
Ano: 1998 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300004
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia floral de cinco espécies de Passiflora L. (Passifloraceae) em mata semidecídua Rev. Bras. Bot.
Koschnitzke,Cristiana; Sazima,Marlies.
(Biologia floral de cinco espécies de Passiflora L. (Passifloraceae) em mata semidecídua). O estudo da biologia floral de cinco espécies de Passiflora foi feito em uma mata de planalto em Campinas, São Paulo. Passiflora alata, P. amethystina e P. miersii apresentam flores de cor púrpura a violeta e corona variegada. As flores são diurnas, perfumadas, autoincompatíveis e polinizadas por abelhas de grande porte. Passiflora amethystina e P. miersii diferem de P. alata por apresentarem filamentos livres no opérculo, que em P. alata é horizontal e denticulado. Estas diferenças no opérculo promovem comportamentos característicos das abelhas durante as visitas. Passiflora suberosa possui flores verde-amareladas e opérculo plicado. As flores são diurnas, inodoras,...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Passiflora; Floral biology; Bee; Wasp and moth pollination.
Ano: 1997 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041997000200002
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia floral de Unonopsis guatterioides (A. D.C.) R.E. Fr., uma Annonaceae polinizada por Euglossini Rev. Bras. Bot.
CARVALHO,RAQUEL; WEBBER,ANTONIO C..
A biologia floral e a polinização por abelhas Euglossini de uma Annonaceae é descrita pela primeira vez e as adaptações a esse modo de polinização são comparadas às de outras espécies da família, que é predominantemente polinizada por coleópteros. A espécie Unonopsis guatterioides foi estudada em dois fragmentos de mata de terra firme no município de Manaus (AM). As flores são protogínicas e permanecem abertas expondo os estigmas e estames durante a antese que ocorre entre dois dias. São visitadas por machos de Eulaema bombiformis (Euglossini) que coletam o odor o qual se assemelha ao de "capim cidreira" (Andropogum nardus L.). Visitas de abelhas Meliponidae e coleópteros Chrysomelidae também foram registradas. Unonopsis guatterioides apresenta dicogamia...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Annonaceae; Floral biology; Pollination; Euglossini; Amazon.
Ano: 2000 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042000000400008
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia floral de Vochysia cinnamomea Pohl (Vochysiaceae) em cerrados do Triângulo Mineiro, MG Rev. Bras. Bot.
Santos,Mirley Luciene; Afonso,Aline de Paula; Oliveira,Paulo Eugênio.
(Biologia floral de Vochysia cinnamomea Pohl (Vochysiaceae) em cerrados do Triângulo Mineiro, MG). Vochysia cinnamomea é uma arvoreta de cerrado comum na região do triângulo mineiro. Apresenta flores zigomorfas com pétalas amarelas e cálice gamossépalo com um dos lobos maior e calcarado. As flores abrem pela manhã e duram apenas um dia. Apresentam um estame que se desprende durante a antese, depositando o pólen no estilete, o que representa um tipo de apresentação secundária de pólen. As flores são visitadas principalmente por abelhas do gênero Epicharis e outras Anthophoridae, que são os polinizadores primários, mas beija-flores e esfingídeos diurnos também foram observados. A planta é parcialmente autocompatível, sendo os frutos formados por...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Pollination; Secondary pollen presentation; Large bees; Savanna; Vochysiaceae.
Ano: 1997 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041997000200003
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia floral e reprodução de Solanum paniculatum L. (Solanaceae) no estado de São Paulo, Brasil Rev. Bras. Bot.
FORNI-MARTINS,ELIANA REGINA; MARQUES,MARCIA CRISTINA MENDES; LEMES,MARISTERRA R..
Estudos de biologia floral e dos animais visitantes, em anos diferentes, foram feitos em duas populações (Brotas e Campinas) de jurubeba, um arbusto invasor neotropical. As flores, do tipo aberto, têm odor muito suave. Pétalas de côr violeta-pálido, contrastando com as anteras amarelas, formam um conjunto visualmente atrativo. O pólen é a única recompensa para os visitantes. A espécie é alógama. Uma média de 19% das flores em ambas as populações apresentaram estilete curto e somente flores de estilete longo formaram frutos, indicando a existência de andromonoicia funcional. As taxas de frutificação em condições naturais diferiram entre Brotas (43%) e Campinas (17%). A frutificação por polinização manual foi de 46% em Brotas e nula em Campinas,...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Solanum; Andromonoecism; Buzz pollination.
Ano: 1998 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000200002
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia floral e reprodutiva de Casearia grandiflora Camb. (Flacourtiaceae) Rev. Bras. Bot.
MACHADO,ADRIANA DE OLIVEIRA; OLIVEIRA,PAULO EUGÊNIO A.M. DE.
A biologia de reprodução de Casearia grandiflora (Flacourtiaceae) foi estudada em um remanescente de mata mesófila do Parque do Sabiá, Uberlândia - MG. A espécie é importante no sub-bosque de matas da região, florescendo durante quase todo o ano, mas com maior abundância nos meses de março, abril e maio. As flores são branco-esverdeadas com cerca de 7 mm de diâmetro, dispostas em capítulos sésseis axilares. Não apresentam odor perceptível e duram apenas 1 dia. Possuem 10 estames férteis livres entre si e unidos à corola na base. Entre os estames existem estruturas pilosas originárias do receptáculo floral. Os estames e estas estruturas formam um cone em torno do pistilo, onde se acumula o néctar. A antese ocorre de forma irregular, principalmente no início...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Flacourtiaceae; Myophily; Fly pollination; Syrphidae; Breeding system.
Ano: 2000 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042000000300004
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia floral e sistema de reprodução de Jacquemontia multiflora (Choisy) Hallier f. (Convolvulaceae) Rev. Bras. Bot.
PIEDADE-KIILL,LÚCIA HELENA; RANGA,NEUSA TARODA.
Aspectos da fenologia, biologia da polinização e reprodução de Jacquemontia multiflora foram estudados na Fazenda Catalunha, Santa Maria da Boa Vista-PE. J. multiflora é uma liana anual, que apresenta floração do tipo cornucópia, com pico desta fenofase no bimestre março/abril, que corresponde ao final da estação chuvosa. As flores estão reunidas em cimeiras que apresentam eixo principal desenvolvido, expondo as flores acima da folhagem. As flores são raso-campanuladas, azuis, inodoras e secretam pequenas quantidades de néctar. A antese é diurna, ocorrendo por volta da 5:30h., e a duração das flores é de aproximadamente nove horas, podendo ser consideradas como efêmeras. Abelhas Apidae e Halictidae são os visitantes mais frequentes. Apis mellifera e...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Floral biology; Reproductive system; Jacquemontia multiflora.
Ano: 2000 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042000000100004
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Biologia reprodutiva de Butia capitata (Martius) Beccari var. odorata (Palmae) na restinga do município de Laguna, SC Rev. Bras. Bot.
ROSA,LIÉGE; CASTELLANI,TANIA TARABINI; REIS,ADEMIR.
Este estudo avaliou as características morfológicas, fenológicas e aspectos da biologia reprodutiva dos indivíduos de uma população de Butia capitata em uma restinga no litoral de Laguna, SC. Numa área de 2500 m2, foram registradas 215 plantas com altura média total de 86,39 cm (S= 27,39; min= 1 e máx= 311). Os indivíduos com altura igual ou inferior a 20 cm não apresentavam evidências de reprodução. A porcentagem de plantas reprodutivas aumentou entre plantas de maior porte, mas nem todos os indivíduos em fase reprodutiva floresceram em anos subseqüentes. Os parâmetros altura total e número de folhas, altura total e comprimento do limbo foliar, assim como número de folhas e número de infrutescências se apresentaram positivamente correlacionados. A...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Butia capitata; Phenology; Reproduction; Sandy coastal vegetation.
Ano: 1998 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041998000300007
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Botânica: uma ciência básica ou aplicada? Rev. Bras. Bot.
AZEVEDO,JOÃO LÚCIO.
Exemplos de interações entre microrganismos endofíticos e suas plantas hospedeiras são usados para demonstrar a importância da Botânica no desenvolvimento da biotecnologia e para a preservação da biodiversidade. Como conclusão, uma visão holística da ciência atual torna irrelavante qualquer distinção entre aspectos básicos e aplicados da ciência, principalmente quando se consideram as ciências biológicas, como é o caso da Botânica.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Biotechnology; Biodiversity; Plant-microbes interactions; Endophytes.
Ano: 1999 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84041999000500002
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Briófitas de campos rupestres da Chapada Diamantina, Estado da Bahia, Brasil Rev. Bras. Bot.
BASTOS,CID JOSÉ PASSOS; YANO,OLGA; BÔAS- BASTOS,SILVANA B. VILAS.
Nesse levantamento, foram encontrados 65 táxons infragenéricos nos campos rupestres da Bahia, sendo 41 pertencentes à divisão Bryophyta, distribuídos em 19 gêneros e 11 famílias, e 24 à divisão Hepatophyta distribuídos em 15 gêneros e nove famílias. Desses, 23 (nove musgos e 14 hepáticas) são novas citações para o estado. A maioria desses táxons parece ter distribuição restrita à região da Chapada Diamantina, não tendo sido encontrados em outras regiões do estado.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Bryophyta; Hepatophyta; Campos Rupestres; Bahia; Brazil.
Ano: 2000 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042000000400002
Registros recuperados: 150
Primeira ... 12345678 ... Última
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional