Sabiia Seb
PortuguêsEspañolEnglish
Embrapa
        Busca avançada

Botão Atualizar


Botão Atualizar

Ordenar por: RelevânciaAutorTítuloAnoImprime registros no formato resumido
Registros recuperados: 25
Primeira ... 12 ... Última
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Aspectos da fenologia floral, sistema de cruzamento e polinização em Avicennia germinans (L.) Stearn (Acanthaceae). Repositório Alice
AMORIM, R. S.; ARRUDA, C. C. B.; RIBEIRO, D. O.; MENEZES, M. P. M. de; MEHLIG, U.; MAUES, M. M.; VENTURIERI, G. C.; SANTOS, R. de C. O. dos; SILVA, M. B..
2010
Tipo: Resumo em anais de congresso (ALICE) Palavras-chave: Biologia floral; Manguezal.
Ano: 2010 URL: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/880339
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Avaliação de efeitos de espécies de mangue na distribuição de Melampus coffeus (Gastropoda, Ellobiidae) no Ceará, nordeste do Brasil Iheringia, Sér. Zool.
Maia,Rafaela C.; Tanaka,Marcel O..
Melampus coffeus (Linnaeus, 1758) é um gastrópode pulmonado, macrodetritívoro, importante na transferência de energia em manguezais neotropicais, mas sua distribuição em diferentes escalas espaciais ainda é pouco conhecida nas regiões brasileiras. Assim, o objetivo deste trabalho foi verificar a distribuição de M. coffeus com relação: 1) às espécies Rhizophora mangle Rhizophoraceae e Laguncularia racemosa Combretaceae; 2) à posição dos rizóforos de R. mangle e 3) à altura das árvores em diferentes manguezais. O seu comportamento ao longo do ciclo de marés também foi descrito. A densidade de M. coffeus foi similar entre R. mangle e L. racemosa, porém os maiores caramujos foram encontrados nas árvores de R. mangle. A distribuição dos caramujos encontrados no...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Distribuição; Densidade; Manguezal; Molusco; Nordeste do Brasil.
Ano: 2007 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-47212007000400004
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Características estruturais de bosques de mangue do estuário do rio São Mateus, ES, Brasil Acta Botanica
Silva,Maria Amélia Bonfante da; Bernini,Elaine; Carmo,Tania Mara Simões do.
A estrutura da vegetação do manguezal do estuário do rio São Mateus foi analisada pelo método de parcelas em quatro sítios de estudo. Nesse manguezal, foram registradas as espécies Avicennia germinans (L.) Stearn., Avicennia schaueriana Stapft & Leechm., Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. e Rhizophora mangle L. Considerando todas as parcelas, o DAP médio variou de 8,12 a 29,6 cm, a altura média de 5,4 a 12,0 m, a área basal de 7,21 a 31,1 m².ha-1 e a densidade de 450 a 1.450 ind.ha-1. Os sítios de estudo sob maior influência das marés apresentaram menor desenvolvimento estrutural e dominância de R. mangle, enquanto que o melhor desenvolvimento estrutural, com dominância de L. racemosa e A. germinans, foi observado nos sítios sujeitos ao maior...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Manguezal; Estrutura da vegetação; Estuário do Rio São Mateus.
Ano: 2005 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062005000300006
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Caracterização da galha induzida por ácaro em Laguncularia racemosa (L.) Gaertn (Combretaceae) Biota Neotropica
Mendonça,Isabela Vieira dos Santos; Almeida-Cortez,Jarcilene Silva.
As galhas se caracterizam como transformações atípicas de tecidos e/ou órgãos vegetais, podendo ser causadas por ácaros, fungos, nematódeos ou insetos. São resultado de uma íntima associação entre a planta hospedeira e o agente indutor e podem ser induzidas em várias partes da planta. O objetivo deste trabalho foi caracterizar a galha foliar de Laguncularia racemosa (Combretaceae), verificando a influência da sazonalidade na ocorrência da mesma, no município de Ipojuca, PE. O manguezal de Maracaípe foi dividido em seis parcelas (30 x 30 m) levando-se em consideração a proximidade com a foz do estuário, cujo sedimento era predominantemente arenoso. Foram realizadas excursões mensais a campo, de novembro/2004 a outubro/2005, para coletar 40 folhas com galhas...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Eriopyidae; Galha; Manguezal.
Ano: 2007 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-06032007000300018
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Composição química do sedimento e de folhas das espécies do manguezal do estuário do Rio São Mateus, Espírito Santo, Brasil Rev. Bras. Bot.
Bernini,Elaine; Silva,Maria Amélia B. da; Carmo,Tania Mara S. do; Cuzzuol,Geraldo Rogério F..
As concentrações de nutrientes das folhas e do sedimento e a capacidade de acumulação de elementos químicos dos tecidos foliares das espécies Avicennia germinans (L.) Stearn., Avicennia schaueriana Staft & Leechm., Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. f. e Rhizophora mangle L. foram analisadas em quatro estações de estudo no manguezal do estuário do Rio São Mateus, no Estado do Espírito Santo. De modo geral, os elementos determinados no sedimento seguiram a ordem: Mg > Ca > Fe > K > Mn > P > Zn > Cu, apresentando variações inter e intraespecíficas. No tecido foliar, as espécies de Avicennia apresentaram maiores teores de N, K e Mg e menores concentrações de Ca. Rhizophora mangle exibiu maior concentração de Mn e Laguncularia...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Folhas; Manguezal; Metais pesados; Nutrientes.
Ano: 2006 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042006000400018
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Contribuição de Melampus coffeus (Gastropoda, Ellobiidae) na degradação da serapilheira do médio estuário do rio Pacoti, Ceará, Brasil Iheringia, Sér. Zool.
Tavares,Diva S; Maia,Rafaela C; Rocha-Barreira,Cristina A.
A degradação da serapilheira no médio estuário do rio Pacoti foi estudada na presença e na ausência do gastrópode Melampus coffeus (Linnaeus, 1758), visando verificar a possível contribuição desse invertebrado na ciclagem da matéria orgânica dos manguezais. A densidade populacional de M. coffeus e a distribuição das folhas, em termos de biomassa úmida, biomassa seca e abundância, presentes na serapilheira do local, foram estimadas a partir de uma amostragem. Um experimento em campo foi realizado com amostras de coloração e biomassas similares de folhas de Rhizophora mangle (Rhizophoraceae) sem sinais de herbivoria, distribuídas igualmente entre 64 gaiolas. Em 32 destas foram colocados também exemplares de M. coffeus. Essas gaiolas foram distribuídas entre...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Folhas; Macrodetritívoros; Manguezal; Rhizophora mangle.
Ano: 2011 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-47212011000100007
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Crescimento de mudas de mangue sob diferentes níveis de sombreamento na península de Ajuruteua, Bragança, Pará Acta Amazonica
Lopes,Elaine Cristina; Araujo,Erneida Coelho de; Costa,Rejane Silva da; Daher,Rogerio Figueiredo; Fernandes,Marcus Emanuel Barroncas.
O objetivo do estudo foi avaliar a influência de diferentes níveis de sombreamento sobre o desenvolvimento de mudas das espécies arbóreas de mangue Avicennia germinans (L.) Stearn., Rhizophora mangle L. e Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. f. O experimento foi conduzido na comunidade de Tamatateua, na península de Ajuruteua, município de Bragança. Para a produção das mudas, os propágulos das espécies arbóreas de mangue foram semeados em embalagens de polietileno (17 x 27 cm), preenchidas com substrato típico de manguezal. As mudas das três espécies foram testadas a pleno sol, 30% e 60% de sombreamento em delineamento experimental inteiramente casualizado em esquema fatorial (3 x 3) x 3 (3 espécies arbóreas e 3 níveis de sombreamento). Após as plantas...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Rhizophora mangle; Avicennia germinans; Laguncularia racemosa; Manguezal; Desenvolvimento de plântulas.
Ano: 2013 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0044-59672013000300004
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Distribuição das espécies e estrutura do manguezal do rio Benevente, Anchieta, ES Biota Neotropica
Petri,Detony José Calenzani; Bernini,Elaine; Souza,Leandro Marelli de; Rezende,Carlos Eduardo.
A estrutura da floresta de mangue do estuário do rio Benevente, Anchieta, ES foi analisada pelo método de parcelas, com o propósito de avaliar a distribuição das espécies ao longo do rio. Os resultados indicaram uma tendência de distribuição das espécies, visto que Avicennia schaueriana Stapf & Leechm ex Moldenke e Rhizophora mangle L. exibiram maior dominância e densidade relativa nas áreas sob maior influência marinha, enquanto que Laguncularia racemosa (L.) Gaertn.f. e Avicennia germinans (L.) Stearn. apresentaram maior densidade nas áreas sob maior influência de água doce. A densidade variou de 700 a 7.866 troncos.ha-1, a área basal de 10,3 a 72,2 m².ha-1, a altura média de 2,0 a 16,4 m e o DAP médio de 4,7 a 27,3 cm. A maioria das florestas...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Fitossociologia; Manguezal; Avicennia; Laguncularia; Rhizophora.
Ano: 2011 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-06032011000300009
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo, Brasil: I. Grupos químicos girofórico e lecanórico Acta Botanica
Benatti,Michel Navarro; Marcelli,Marcelo Pinto.
O levantamento das espécies pertencentes aos gêneros de grandes parmélias do litoral centro-sul do Estado de São Paulo revelou a ocorrência de sete espécies de Parmotrema (talos foliosos de lobos arredondados em geral com mais de 0,5 cm larg. com margens inferiores não rizinadas) contendo como constituintes químicos medulares os ácidos girofórico e lecanórico, tipicamente reconhecidos pela cor avermelhada que resulta dos testes de coloração com hipoclorito de cálcio. São apresentados uma chave de identificação, descrições, comentários e ilustrações baseados em material brasileiro.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Costões rochosos; Liquens; Manguezal; Restinga.
Ano: 2009 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062009000400011
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo: II. Grupos químicos norstíctico e salazínico Acta Botanica
Marcelli,Marcelo Pinto; Benatti,Michel Navarro.
O levantamento das espécies pertencentes aos gêneros de grandes parmélias do litoral centro-sul do Estado de São Paulo revelou a ocorrência de nove espécies de Parmotrema sensu stricto (talos foliosos de lobos arredondados em geral com mais de 0,5 cm larg. com margens inferiores não rizinadas) contendo como constituintes químicos medulares os ácidos norstíctico ou salazínico. São tipicamente reconhecidos pela cor amarela que se torna avermelhada resultante dos testes de coloração com hidróxido de potássio. São apresentados uma chave de identificação, descrições, comentários e ilustrações, baseados em material brasileiro.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Costões rochosos; Liquens; Manguezal; Restinga; Parmotrema.
Ano: 2010 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062010000100015
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do estado de São Paulo III: Grupos químicos equinocárpico e stíctico Acta Botanica
Benatti,Michel Navarro; Marcelli,Marcelo Pinto.
O levantamento das espécies pertencentes aos gêneros de grandes parmélias do litoral centro-sul do Estado de São Paulo revelou a ocorrência de sete espécies de Parmotrema sensu stricto (talos foliosos de lobos arredondados em geral com mais de 0,5 cm larg. com margens inferiores não rizinadas) contendo como constituintes químicos medulares os ácidos equinocárpico ou stíctico. São tipicamente reconhecidos pela forte cor amarela que resulta dos testes de coloração com hidróxido de potássio. São apresentados chave de identificação, descrições, comentários e ilustrações baseados em material brasileiro.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Costões rochosos; Liquens; Manguezal; Restinga.
Ano: 2010 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062010000200002
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral Centro-Sul do Estado de São Paulo IV.: grupo químico protocetrárico Rev. Bras. Bot.
Benatti,M.N.; Marcelli,M.P..
O levantamento das espécies pertencentes aos gêneros de grandes parmélias do litoral Centro-Sul do Estado de São Paulo revelou a ocorrência de onze espécies de Parmotrema sensu stricto (talos foliosos de lobos arredondados em geral com mais de 0,5 cm de largura com margens inferiores não rizinadas) contendo ácido protocetrárico como principal constituinte químico medular. São apresentados uma chave de identificação, descrições, comentários e ilustrações.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Costões rochosos; Liquens; Manguezal; Restinga.
Ano: 2011 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042011000100010
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Espécies de Parmotrema (Parmeliaceae, Ascomycota) do litoral centro-sul do Estado de São Paulo V: grupo químico alectorônico Rev. Bras. Bot.
Marcelli,Marcelo Pinto; Benatti,Michel Navarro.
O levantamento das espécies pertencentes aos gêneros de grandes parmélias do litoral centro-sul do Estado de São Paulo revelou a ocorrência de oito espécies de Parmotrema A. Massal. sensu stricto (talos foliosos de lobos arredondados em geral com mais de 0,5 cm larg. com margens inferiores não rizinadas) contendo ácido alectorônico como constituinte químico medular. São apresentados uma chave de identificação, descrições, comentários e ilustrações baseados em material brasileiro.
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Costões rochosos; Liquens; Manguezal; Restinga.
Ano: 2011 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-84042011000300003
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Estrutura da vegetação em florestas de mangue do estuário do rio Paraíba do Sul, Estado do Rio de Janeiro, Brasil Acta Botanica
Bernini,Elaine; Rezende,Carlos Eduardo.
A estrutura da vegetação do manguezal do estuário do rio Paraíba do Sul foi analisada pelo método de parcelas, que foram distribuídas na franja e no interior da floresta em dois sítios de estudo. No geral, considerando-se os indivíduos > 1m alt., a altura média variou de 6,3 a 9,9m, o DAP médio de 7,44 a 13,4cm, a área basal média de 14,5 a 35,3m².ha-1 e a densidade média de 1.920 a 3.400 troncos.ha-1. Estes parâmetros estruturais não diferiram, significativamente, entre a franja e o interior da floresta, mas a contribuição de cada espécie variou entre as distintas zonas. Avicennia germinans (L.) Stearn. foi a espécie dominante em área basal de indivíduos vivos (60%), seguida de Rhizophora mangle L. (25%) e de Laguncularia racemosa (L.) Gaertn. (15%)....
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Estrutura da vegetação; Estuário do rio Paraíba do Sul; Manguezal.
Ano: 2004 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062004000300009
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Estrutura vegetal e grau de perturbação dos manguezais da Lagoa da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ, Brasil BJB
SOARES,M. L. G..
A Lagoa da Tijuca, localizada ao sul da cidade do Rio de Janeiro, possui estreita faixa de manguezal distribuída de forma descontínua ao longo de suas margens. Os bosques de mangue apresentam grande variabilidade estrutural. Nos bosques monoespecíficos de Laguncularia racemosa, com dap médio entre 3,4 e 7,7 cm e altura média entre 4,5 e 7,7 m, há predomínio de indivíduos com menos de 10,0 cm de diâmetro. Nos demais pontos, observamos bosques mistos, mais desenvolvidos, dominados ora por Laguncularia racemosa, ora por Rhizophora mangle (dap médio entre 7,8 e 16,7 cm; altura média entre 6,8 e 16,1 m), ora por Avicennia schaueriana (dap médio de 7,1 cm e altura média de 5,3 m). A variabilidade estrutural observada é forte indício de área alterada. Observações...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Manguezal; Estrutura vegetal; Conservação; Brasil.
Ano: 1999 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71081999000300016
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Gêneros de fungos liquenizados dos manguezais do Sul-Sudeste do Brasil, com enfoque no manguezal do Rio Itanhaém, Estado de São Paulo Acta Botanica
Benatti,Michel Navarro; Marcelli,Marcelo Pinto.
(Gêneros de Fungos Liquenizados dos Manguezais do Sul-Sudeste do Brasil, com enfoque no manguezal do Rio Itanhaém, Estado de São Paulo). Foi realizado um levantamento dos gêneros de fungos liquenizados do manguezal do Rio Itanhaém. A única lista conhecida para os manguezais do sul-sudeste brasileiro foi publicada por Marcelli em 1992, com especial atenção ao do Rio Itanhaém, sendo que vários dos gêneros então conhecidos tiveram suas posições taxonômicas revistas, com um grande número sendo dividido em vários outros nos últimos anos. O objetivo deste trabalho foi realizar um novo levantamento de gêneros de fungos liquenizados para o manguezal do Rio Itanhaém, também conhecidos para as outras regiões de manguezais do sul-sudeste brasileiro, e elaborar uma...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Brasil; Fungos liquenizados; Manguezal; Taxonomia.
Ano: 2007 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33062007000400011
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Identificação, distribuição e abundância dos caranguejos do gênero Uca na península de Ajuruteua, nordeste do Pará, Brasil. Repositório Alice
SAMPAIO, L. de S.; LIMA, J. de F.; LEITÃO, R. S.; OLIVEIRA, E. de; ABREU, M. M. de O.; COSTA, K. G. da; GORDO, S. M. da C.; MATNI, A. dos S.; SIMITH, D. de J. de B.; FERNANDES, M. E. B..
2008
Tipo: Resumo em anais de congresso (ALICE) Palavras-chave: Caranguejo; Manguezal; Carcinologia.
Ano: 2008 URL: http://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/352281
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Impactos ambientais sobre o manguezal de Suape - PE Acta Botanica
Braga,Ricardo Augusto Pessôa; Uchoa,Terezinha Matilde de Menezes; Duarte,Maria Tereza Menezes Bezerra.
A zona estuarina de Suape é formada pelos rios Massangana, Tatuoca, Ipojuca e Merepe, situando-se a cerca de 25km ao sul do Recife. A implantação um porto e da infra-estrutura para um complexo industrial acarretou em obras de aterros, dragagens e represamentos, alterando a hidrologia local e modificando drasticamente a paisagem. A partir de fotografias aéreas na escala 1:30.000 obtidas nos anos de 1974 e 1988, de imagens do sensor TM do satélite Landsat 5 de 1984 e com o auxílio de carta topográfica na escala 1:25.000 de 1971, foram realizadas a fotointerpretação e a reambulação, resultando em cartas de cobertura de vegetação de mangue de 1974 e 1988, assinalando-se as intervenções físicas ocorridas neste período. Dos 2874ha de manguezal existentes em...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Manguezal; Impacto ambiental.
Ano: 1989 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-33061989000300003
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
O bosque de mangues e a pesca artesanal no Distrito de Acupe (Santo Amaro, Bahia): uma abordagem etnoecológica - DOI: 10.4025/actascibiolsci.v30i3.5014 Biological Sciences
Bezerra, Francisco José; UEFS.
Os manguezais são ecossistemas que apresentam alta biomassa e concentração de biodiversidade. Estas características favorecem a utilização por muitas populações que vivem tradicionalmente da mariscagem e da pesca artesanal, como é o caso da que habita o Distrito de Acupe (Santo Amaro, Estado da Brahia), situado na margem oeste da Baía de Todos os Santos. Além dos recursos pesqueiros, a população também faz uso da vegetação do manguezal, conhecida localmente como “mangue”. O presente trabalho tem como objetivo abordar conhecimentos de pescadores e marisqueiras sobre o bosque de mangues, bem como seus usos à luz da etnoecologia abrangente de Marques (1995). Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas buscando-se registrar os conhecimentos e comportamentos...
Palavras-chave: 2.00.00.00-6 Ciências Biológicas etnoecologia; Manguezal; Conhecimentos e práticas tradicionais. ethnoecology; Mangrove; Traditional knowledge and practices.
Ano: 2008 URL: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciBiolSci/article/view/5014
Imagem não selecionada

Imprime registro no formato completo
Ocorrência e recrutamento larval de Teredinidae (Mollusca, Bivalvia) na região do Sistema Costeiro Cananéia-Iguape, São Paulo, Brasil Iheringia, Sér. Zool.
Moraes,Daniela T. de; Coelho Jr.,Clemente; Cruz,Rafael C. G. da; Lopes,Sônia G. B. C..
A ocorrência e o recrutamento larval de Teredinidae na região do Sistema Costeiro Cananéia-Iguape foram acompanhados por doze meses utilizando-se coletores laminados de pinho, instalados em três estações dentro do bosque de mangue (mediolitoral) e em uma estação, localizada no infralitoral. No manguezal, a colonização por larvas de teredinídeos ocorreu após quatro meses de permanência dos coletores na estação mais frequentemente inundada pela maré e somente após oito meses nas duas estações com menor frequência de inundação. No infralitoral, após quatro meses, os coletores já estavam consideravelmente danificados. Ao longo do experimento, houve um decréscimo no número de teredinídeos, especialmente no infralitoral, ocasionado possivelmente pela competição...
Tipo: Info:eu-repo/semantics/article Palavras-chave: Zona intertidal; Infralitoral; Manguezal; Teredinídeos; Foladídeo.
Ano: 2015 URL: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0073-47212015000100028
Registros recuperados: 25
Primeira ... 12 ... Última
 

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa
Todos os direitos reservados, conforme Lei n° 9.610
Política de Privacidade
Área restrita

Embrapa
Parque Estação Biológica - PqEB s/n°
Brasília, DF - Brasil - CEP 70770-901
Fone: (61) 3448-4433 - Fax: (61) 3448-4890 / 3448-4891 SAC: https://www.embrapa.br/fale-conosco

Valid HTML 4.01 Transitional